Mulher Maravilha, um filme sobre graça

Patty Jenkins quis fazer Mulher Maravilha logo depois de seu primeiro filme, Monster – Desejo Assassino (2003), que foi bem nas bilheterias e nas críticas. Se realizado naquela época, talvez Sandra Bullock ou Catherine Zeta-Jones figurariam como Diana, a princesa de Temiscira. Jenkins foi cotada para o projeto de levar a heroína às telas em 2008, mas recusou devido à gravidez. Ela estava na direção … Continuar lendo Mulher Maravilha, um filme sobre graça

Música, cinema e comida que nos forma

  A identidade brasileria é um fragmento misterioso pouco explorado e por vezes admirado sem se saber bem o porquê. O mundo tem um retrato vendido há anos do que é a brasilidade, que vem do carnaval, da bossa nova e de outros signos comuns e simplórios que, na complexidade da nossa continentalidade, pouco definem quem realmente somos. Bem, tendo em vista o obscurantismo que … Continuar lendo Música, cinema e comida que nos forma

Quem foi Fábio Ramos de Carvalho?

Entrevista cedida pelo portal Super Crente (siga  a página no face, no instagram e se inscreva no canal do youtube) Quem foi Fábio Ramos de Carvalho?    Há dez anos, em Cuba, morria Fábio Ramos de Carvalho, aos 41 anos, de infarto fulminante. Ele era fundador da Caverna de Adulão, uma igreja que surgiu com a visão de alcançar os grupos menos evangelizados do cenário urbano. Para … Continuar lendo Quem foi Fábio Ramos de Carvalho?

Amar é sempre ser vulnerável. Até na arte.

Um dos meus maiores receios na hora de pensar em tatuagem é que enjoo muito rápido das coisas, então me comprometer com um desenho ou uma frase permanentemente marcados no meu corpo pode ser um tiro pela culatra. Mas se tem uma frase da qual nunca vou me enjoar é “Amar é sempre ser vulnerável”. E não necessariamente pela beleza estética dessa junção de palavras, … Continuar lendo Amar é sempre ser vulnerável. Até na arte.

A dor e o prazer que sentimos

Não faço muito segredo sobre o quanto sou fã do trabalho de Gus Van Sant e Richard Linklater. Poucas obras mexeram tanto comigo como Antes do Amanhecer (1995), com toda a sua sutileza em sintetizar a complexidade que é o encontro de um homem e uma mulher na caminhada da vida. Além dele, o filme Elefante (2003) me trouxe perguntas que muito da minha luta hoje … Continuar lendo A dor e o prazer que sentimos

Todo dia é dia de querer viver sem medo

Se tem um trem que me tira mais tempo do que deveria, é assistir aos monólogos e entrevistas do The Late Show with Stephen Colbert. Tá quase chegando ao nível de vício. Numa entrevista semana passada, Stephen perguntou ao Roy Wood Jr, que é negro e comediante, o que ele vai ensinar ao filho que acabou de nascer. Ele respondeu “a primeira coisa que vou … Continuar lendo Todo dia é dia de querer viver sem medo

Comida não é remédio!

Chego por volta das 13h no domingo, vou direto no armário ou na bancada da cozinha à procura de pão de queijo, e com ele vem um bolo, uma rosca, ultimamente até café. Sento um pouco, respiro e volto atrás da farofa, gosto com arroz, igual seu Délio. O desfecho é com uma carne assada, um fricassê de frango, arroz, feijão, sem muito mistério, mas … Continuar lendo Comida não é remédio!

Notas sobre a Gratidão

Gratidão, Grati-amor, Gratiluz, GratiOM, Gratinado… Convivo com o “gratidão” desde o segundo ENCA (Encontro de Comunidades Alternativas) que fui em 2008. Fiquei impressionado como uma gíria, típica dos alternativos e espiritualistas, obteve tanta fama. Alcançou toda a sociedade ao tornar-se botão de facebook, tornou-se objeto de consumo ao aparecer nas latinha de coca Zero. Tenho que um dos fatores responsáveis por isso seja o advento … Continuar lendo Notas sobre a Gratidão

La La Land e a vaidade de querer o infinito

“O que seria da vida sem as coisas que não existem?” Assim provocava Antônio Abujamra a Eduardo Sterblich, um ator bobo vindo de um programa machista que pretensiosamente pretende interpretar Samuel Beckett para ser ovacionado como Paulo Autran por pessoas que nem mesmo a vida tem interesse, mas aos quais todos desejam ser comparados para que o viver possa ter cores de eternidade antes que acabe. … Continuar lendo La La Land e a vaidade de querer o infinito