Sobre valer a pena viver

“Tem no Netflix?” é a pergunta que determina 90% do que assisto ultimamente. E nesse fim de semana foi a vez de Se Eu Ficar (2014) no sábado e de A Incrível História de Adaline (2015) no domingo. Dois filmes que tratam, sob perspectivas diferentes, a mesma questão: diante das dores e dos riscos, escolher viver.

if i Stay
Em Se Eu Ficar, Mia e sua família sofrem um acidente de carro, e, durante o estado de coma, ao relembrar momentos de sua vida e se deparar com as reações das pessoas a seu redor diante da tragédia, a adolescente precisa escolher entregar os pontos ou lutar para ficar nesse mundo.

Na outra história, depois de um acidente de carro, Adaline passa a ser imune aos efeitos do tempo, permanecendo, mesmo 8 décadas depois, com a aparência de seus 29 anos. Sempre se mudando para não levantar suspeitas, quando é confrontada com o passado e com a chance de um futuro, precisa escolher entre seguir se escondendo ou permanecer, se arriscar a viver de verdade.

Em certo momento, nas duas tramas, outros personagens fazem o mesmo pedido a elas, para que não desistam, para que não vão embora, para que fiquem.

Para a adolescente Mia, de 17 anos, as reflexões durante o período de decisão passam pelo seu amor pela música, o significado de família e as emoções da primeira paixão. Aos 107 anos, as lembranças de Adaline viajam por sua vida antes do acidente, as constantes mudanças para evitar os riscos de ser descoberta, e a dor da solidão, ainda mais diante da possibilidade de amar novamente.

Ao final das duas obras, a permanência ou não de Mia no coma e de Adaline em sua eterna aparência jovem estão intimamente ligadas a escolhas conscientes das duas.

adaline 1
Em um primeiro momento, fiquei pensando no quão errada é essa ideia de que podemos deliberadamente decidir sobre questões tão fora do nosso controle. Um dia está tudo bem, e então não está mais. O que podemos fazer?

Só que a gente pode sim fazer alguma coisa. Todo dia. E não tem a ver com escolher acordar de um coma ou escolher voltar a envelhecer. É escolher viver uma vida que valha a pena ser vivida. Mesmo tendo que lidar com os medos, com as dores, com as incertezas de como tudo vai ser dali pra frente.

Estou cada vez mais convencida de que essa vida na qual a gente não só existe ou sobrevive, mas vive de verdade, que vale a pena, só é alcançada quando fazemos uma escolha consciente de perder o controle, entregando-o pra quem sabe dos nossos dias melhor do que ninguém, melhor do que nós mesmos. Não é das tarefas mais fáceis, mas é totalmente plausível e possível.

age if i stay

Baseado em um livro de Gayle Forman (que não li antes de assistir, mas quero ir atrás da continuação), Se Eu Ficar é dessa leva de filmes com protagonistas adolescentes que trazem muito mais em si do que a premissa de “filme adolescente” deixa transparecer. Além disso, a trilha tem algumas canções originais, e Heart Like Yours é tão certa para o momento em que aparece no filme, que vale a pena assistir só para conferir esses minutos.

Com uma aura de anos 20 permeando o filme, e com a beleza clássica e marcante da Blake Lively (numa atuação excelente!) através das décadas, A Incrível História de Adaline é bem mais maduro. Com uma bagagem de 90 anos a mais que Mia, a trama de Adaline é mais complexa, até com alguns momentos que acabam sendo problemáticos no filme, mas que nem de longe me fazem não querer indicá-lo.

Utilizando recursos estéticos e narrativos bem parecidos, os dois filmes são daqueles pra serem assistidos debaixo das cobertas, com tempo pra se refletir um tiquinho sobre a própria vida depois. Aproveitem, que tem no Netflix.

Anúncios

Um comentário sobre “Sobre valer a pena viver

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s