Mulher Maravilha, um filme sobre graça

Patty Jenkins quis fazer Mulher Maravilha logo depois de seu primeiro filme, Monster – Desejo Assassino (2003), que foi bem nas bilheterias e nas críticas. Se realizado naquela época, talvez Sandra Bullock ou Catherine Zeta-Jones figurariam como Diana, a princesa de Temiscira. Jenkins foi cotada para o projeto de levar a heroína às telas em 2008, mas recusou devido à gravidez. Ela estava na direção … Continuar lendo Mulher Maravilha, um filme sobre graça

La La Land e a vaidade de querer o infinito

“O que seria da vida sem as coisas que não existem?” Assim provocava Antônio Abujamra a Eduardo Sterblich, um ator bobo vindo de um programa machista que pretensiosamente pretende interpretar Samuel Beckett para ser ovacionado como Paulo Autran por pessoas que nem mesmo a vida tem interesse, mas aos quais todos desejam ser comparados para que o viver possa ter cores de eternidade antes que acabe. … Continuar lendo La La Land e a vaidade de querer o infinito

Ainda somos os mesmos

Leia ouvindo:  Deve ter ocorrido uma convenção nacional dos professores de ciências do ensino fundamental, lá pelo início dos anos 2000, na qual ficou determinada, por decisão unânime, a exibição de Ilha das Flores (1989) aos alunos. Naquele cenário de sala de aula, o curta de Jorge Furtado servia para ilustrar a trajetória do alimento desde o  produtor até nossa mesa e então ao lixão, para, … Continuar lendo Ainda somos os mesmos

A verdade no amar alguém segundo Richard Linklater

Todo romance quer ter contornos de grandes dramas, contos épicos que elevem à máxima potencia a experiência fantástica de se amar alguém. O cinema há muito vem nesse esforço de apresentar o amor tórrido e triunfante para tomar de assalto algum casal desavisado que veja ali projetados os seus desejos mais íntimos com todo um ideal de ser dois na potência sentimental do coração de … Continuar lendo A verdade no amar alguém segundo Richard Linklater

A luta do luto em cores de Almodóvar

A partida enlutece o que não se foi e o luto ensina o que permanece, o que o tempo não sujeita ao fim ganha destaque quando a finitude se revela, tudo pois encontra o seu fim e somente o eterno fica. O Eclesiastes já cantava essa pedra antes mesmo que a ilusão do tempo pudesse ser cravada em retratos e a imagem à frente nos … Continuar lendo A luta do luto em cores de Almodóvar

De novo o cinema do “nórti”

Alguns devem ter sido pegos de surpresa ao testemunhar os protestos referentes ao cenário político brasileiro em pleno tapete vermelho do Festival de Cannes desse ano. O festival que é um dos mais importantes no cenário dos grandes festivais cinematográficos é um palco antigo de protestos e mesmo nessa edição (2016) pudemos testemunhar atrizes de renome internacional como Julia Roberts e Kristen Stewart adentrando o … Continuar lendo De novo o cinema do “nórti”

O adeus simples de quem é para sempre

O viver pleno contempla sonhos mil, grandes desejos por amores e edificações para fazer do nosso nome maior do que toda efemeridade do existir no tempo que se chama hoje. Ora, o que temos hoje enfim? O autor do Eclesiastes nos diria para comermos das delicias, amarmos o amor da mocidade, bebericar o que nos faz mais alegres e conversar, sim, sentar na roda de … Continuar lendo O adeus simples de quem é para sempre

“Sobre meninos e lobos”

Marty Baron (Liev Schreiber), é o um editor recém contratado que chega na cidade para trabalhar em um dos maiores jornais locais, ao mesmo tempo que ele é inicialmente temido pelos colegas por possíveis reestruturações e demissões que ele eventualmente venha a fazer, ele também convidado para jantares e dentre eles está agendado um encontro com a figura principal de umas das instituições mais influente … Continuar lendo “Sobre meninos e lobos”

A catarse comum de Marina Person

Década perdida é o apelido maldito dos anos 80 no Brasil, pode se caber tal expressão se fizermos uma análise política e econômica do período que teve muita tensão com o fim do governo militar, por conseguinte a abertura política, uma moeda muito instável e por aí vai, mas sinceramente, não é isso que te dirá aquele que foi jovem nessa época. Eu só vim … Continuar lendo A catarse comum de Marina Person